quinta-feira, 29 de abril de 2010

Um conto de John Hemingway

rylcreem Man
Here's a short story of mine that was published in the Spring 2010 edition of Saw Palm, the Florida Literature and Art journal of the University of South Florida.

Miami Sunrise

Brylcreem Man

When he looked at himself in the mirror his long, black, wiry hair was as it had been the night before, disheveled and with a sheen that could have been mistaken for Brylcreem. His eyesight had never been that good and when he found his glasses he noticed the white roots and made a mental note to pick up a box of hair color. His girlfriend was still in bed and if he could find a pharmacy that was open he’d have everything done before she got up, but he was tired and feeling stressed and went for a walk on the beach instead.

What he really needed was a vacation and not just a break from the city. Flying down to Miami and staying at the hotel where he and his mother had always stayed when she was alive helped, but it couldn’t make up for the lack of sleep nor the state of his career. Mentiroso was now a has-been in the world of avant-garde theater. He had come to a dead end, and for the past six months he’d been forced to pay his bills either in cash or with his girlfriend’s credit card. Times were bad but this lack of work was something that he had never experienced before. It was positively plebian, lower class and demeaning, and he wondered how much longer he would have to hand deliver the $2,000 of his monthly rent in crisp $100 dollar bills.

“Was any of this my fault?” he asked himself rhetorically as he stepped out of the elevator and walked towards the pool and the beach beyond it. Could he be blamed for stating the truth about that hotel in Rome? Should he have said nothing of the raw sewage smell from the toilet?

“Was that my fucking fault?!” he said out loud as he brushed past a Guatemalan maid and a Venezuelan pool cleaner. He hadn’t planned on broadcasting the filth of his lodgings to the rest of Italy but how was he supposed to know that one of the journalists that he’d spoken to would actually print what he had to say?

That was where he’d screwed himself. The paper published his “defamatory statements” and the next thing he knew the hotel was suing him. “Mentiroso dice che la sua stanza fa schifo” (Mentiroso says that his room sucks) was the title that the newspaper ran and it was more than enough. He had a reputation for trash talk and over the years he’d made many enemies on both sides of the Atlantic, but in spite of everything his talent (which was real) had always protected him. He’d been sued before, but this time it was different. After the stock market crash people weren’t as forgiving as they used to be. If in the past a judge might have seen him as a kind of clown and let him off with a slap on the wrist, tolerance was now a rare commodity and you had to be careful. For the hotel owners he was an easy mark and the lawyer’s fees and the fine wiped out the million in stocks and gold that he’d saved.

When he opened the gate to the beach he took his shoes off so that he could feel the sand on his feet. In New England there was a foot of snow on the ground but here it never got cold. His mother liked to compare it to the town in southern Italy where she’d been raised. “Feel how fine the sand is,” she would say, “and look at the clear blue of the water and you’ll know what it was like for me when I was your age.” The water, of course, was still blue but it had never revealed much to him about his mother’s upbringing. She had serious issues with the truth and could invent the most outrageous stories. When he was a boy she would often tell him that his father was a black American G.I. who she’d met after the war and that that was the reason for his kinky hair, or that the Mentirosos were Italian nobility but that they’d lost everything during the Fascist years. None of it was true, or perhaps all of it was, who could really say? When someone was lying to you twenty-four hours a day any ideas they might have about reality were sketchy at best. He understood that it was wrong but what could he do? She was his mother and while he tried to resist her, in the end he accepted her behavior as his own, even though officially he still disagreed with the lies.

When he was seventeen he either left her, or was kicked out of the house. There were two versions of this coming of age, but the one which most people recognize as true, and which was posted on his Wikipedia site, said that his mother had been living with two Mexican brothers near the border in Arizona and that her lovers had convinced her to give him the boot. Many saw this as the inspiration for one of his more scandalous and critically acclaimed pieces “Non scopare quei uomini Mama! (Don’t fuck those men, Mother)” This seminal work finishes tragically for the protagonist who is not only spurned by his mother, but also killed and barbecued by a group of famished Chicanos.

Moving to New York he financed his studies and living expenses selling LSD and pimping himself to wealthy lawyers and stockbrokers. It was a period that he looked back upon with a certain nostalgia and he could talk enthusiastically for hours about all the writers and musicians he knew or the time when he and a group of friends had hitchhiked up to Woodstock to see the concert.

He had lived through a lot and to be honest he thought that there wasn’t much that he hadn’t experienced that was worth knowing. He was a great artist and had been a part of the golden age in avant-garde theater of the 1980s and 90s. Of course, now that all of that had come to an inglorious end he realized that he needed to quickly write a book (and secure a movie deal) about his life. For this reason he was in near constant contact with his agent.

With a book, but especially with a movie deal, he wouldn’t have to worry about the unpaid bills that had kept him awake at night or the consistently bad reviews that his latest works had garnered or even sticking with his girlfriend. Daniela was pretty, and gifted in a commercial/pop/soap-opera kind of way, but he absolutely needed to avoid becoming any more dependent upon her than he already was. Just last night when they were eating at one of his favorite steak houses near the beach she’d asked him again if he really loved her and when he said that he did she upped the ante with “Well, don’t you think it’s time then that we got married?”

“What?!” he managed to blurt out as he almost choked on an exquisite piece of aged New York sirloin.

“Don’t you think it’s time?” she repeated with a knowing smile on her lips that he would have found attractive on any other woman but that on her filled him with a sense of panic and dread.

“I think there’s time for everything,” he told her after he’d swallowed his meat, “but we’ve only been together, for what?, three years? Why rush it? I love you and you love me and we’re fairly clear on that and there really isn’t any reason that I can see to over-emphasize this issue.”

“Then you don’t love me?”

“Not at all.” He said (which was the truth).


“I mean that we shouldn’t jump into to this.”

“But I want to jump in, Gianni, and I want you to jump in with me.” And he knew that he was not going to get out of this one easily and in fact just about everything he said to her that night as they ate was not what she wanted to hear. It was as if his genius for spin and molding the truth of anything to his needs had abandoned him and all he could do was state, in as many different ways, that fundamentally he wasn’t all that fond of Daniela. Of course, he didn’t say that, but he wasn’t telling her what he knew she wanted to hear and this inability to lie troubled him. He wasn’t sure but he suspected that the combined stress of his financial and artistic situations was inhibiting his manipulative gifts and that if he didn’t find some kind of relief there was no telling where it might lead.

Fortunately, not all was wrong with his world. America had a new president and everything about the man was inspirational and led him to believe that change was indeed possible. An Afro-American in the White House had altered the political and social landscape of his country and he felt a special kinship to this politician in part because of his mother’s tale of his black, G.I. dad and in part because of the baby boy he’d secretly fathered with a woman from Harlem. In many ways, he’d come full circle and had, before anyone else knew about Obama, created his own personalized version of the man; a “mini-me” who embodied the best of the U.S. (racially speaking) and who, like his father, would some day see the necessity of alien relocation and language integrity.

“And if he doesn’t want to throw the Spics into the sea then he’s no son of mine.” He reminded himself as he skipped a flat rock into the Gulf Stream.

The illegals were a pestilence on the land. This was obvious to him. They were a diseased and unsanitary army that needed a good kicking in the butt. Having sucked greedily and for years at the nation’s vital juices they were sapping America of its strength and will to survive. Of course, as a patriot, and an artist, he knew what he had to do. He was way ahead of the curve and was just waiting for the movie deal to gel and take its final form.

“But shouldn’t he be calling me instead of me always having to call him?” he wondered. The man had an apartment in Manhattan but he was never there. In fact, Mentiroso couldn’t remember the last time that the two of them were physically together. They kept in touch text messaging and with quick conversations that the agent managed to squeeze in on his way to see other clients in LA or London.

The phone rang and rang and Mentiroso grew impatient. He paced back and forth with his Blackberry in the sand. The sun was coming up over the horizon and the sky in the distance had shades of lavender and light blue. There were three container ships steaming towards the port and seagulls kept watch atop the concrete pilings of a pier.

“Where the fuck is he?” said Mentiroso. “15% of everything I make goes to this clown and so, goddamnit, when I call he’s suppose to pick up the fracking phone.” But there was no answer. He obviously wasn’t on the agent’s list of priority clients.

A few hours later when he was sitting by himself at the hotel bar his agent finally acknowledged his existence with a short text message that read: “Gianni, no film deals with Warner/Universal. Try Disney?? Baci, Bernie.”

It certainly wasn’t what he wanted to hear but he had to admit that there were reasons. Not only was his agent incompetent, the studios were even worse. He felt surrounded by a sea of philistines and degenerates. No one could understand his art. It was beyond them. They were like ants, tiny little insignificant specs of societal sewage and frankly he had had enough of trying to educate them, of getting them to the point where they could see what he had always known.

“To hell with them,” he said as he downed his fourth shot of Grappa and ordered another. The bar had TVs set up in every corner and looking at the one in front of him there was a pudgy, balding journalist who in a deep, booming sort of voice was asking America again how much longer it could afford to support the illegal aliens in its midst.

“Damn right!” said Mentiroso. There were a few other people in the bar, but no one seemed to pay him any attention. The journalist was commenting on the latest I.C.E raid in Ohio. Immigration officers had surrounded a textile factory, shutting it down and arresting anyone who couldn’t prove their US citizenship. The operation was massive and well planned, targeting the thriving Latino community that for the most part worked in the factory.

As news of the raid spread throughout the community panicky parents rushed to pull their children out of the local school and hide them from the government agents. The journalist noted with a mix of solemnity and badly cloaked glee that over 200 illegal aliens had been apprehended and were at this very moment being processed for deportation.

“This,” he assured his audience, “is what I would call a good example of how our tax money should be spent and how it rarely ever is. A fresh start for America.”

“Indeed!” said Mentiroso as the bartender brought him his fifth round. He was pissed off at his agent and his mother, tired and somewhat disgusted with his girlfriend but more than anything else he felt positively sick at the thought of what the illegals were doing to America. He wanted them out and was ready to take whatever action was needed. After five shots of Grappa he was furious and had come to the conclusion that they were at the root of everything that was destroying his career. The journalist was right, better to deal with the problem before it got out of hand.

“Gimme a drink!” he said and the bartender handed him another shot. The pudgy-faced man was wrapping up his philippic and reminding Mentiroso that enforcing the law of the land was nothing to be ashamed of.

“I get plenty of emails accusing me of being anti-immigrant,” said the journalist, “but nothing could be further from the truth. All I want is for the laws of this great country of ours to be respected! And I ask you, is that too much to expect? Have we given up on the idea of America, on the idea of a land where Freedom, Justice and Liberty for all still mean something? I say not. The constitution still holds and anyone, and I mean women and children included, who enter this country illegally have to and will be forcefully removed, if necessary!”

“That’s the way you do it!” agreed Mentiroso. The shear stress of having to deal with these illegals was killing America’s mojo. It prevented the country from spinning its image abroad. It had conquered a world with its vision of wealth and individualism. It was sexy and cinematographic and casting his gaze about the bar he wondered if anyone else was as enthusiastic as he was about the immigration raid. There was a businessman near the entrance who was talking to a client on his cell phone, a couple in the corner holding hands and a group of young Cubans who pretended not to see him when he looked their way.

Not in a mood to be ignored he suddenly stood up and shouted in their direction “Tu puta madre (your mother’s a whore)!” He didn’t really speak Spanish but he knew enough to know that this was a bad insult.

“You talking to me, old man?” one of Cubans asked.

“Yeah, I’m talking to you!”

“Sit down, viejo, y cállate (shut up).”

“Stuff it, spics!” said Mentiroso and at that point even the businessman put down his phone. This was Miami after all and everyone in that room was Latino. The bartender came around to where Mentiroso was standing and calmly told him that it was time to take a deep breath and then leave. It was the sensible thing to do and in retrospect not only would it have saved him a lot of grief but his two front teeth as well. Instead, taking aim for the first time in his life, he threw his shot glass at the Cuban, hitting him squarely in the face. The reaction of the victim was immediate and soon he and his friends were pummeling Mentiroso. They were enraged and Mentiroso didn’t do anything to lessen their anger continuing as he did to insult their mothers, their girlfriends and whoever else he could think of. The more they beat him, in fact, the more he spewed out his stream of venom and race-hatred. His face had turned puffy and blue under their blows, his glasses were shattered, but he didn’t care. He was finally fighting the good fight, sacrificing himself for his art and his country on the altar of his many lies.

The bartender tried to pull him out but the Cubans wouldn’t stop. They wanted him dead, but before he passed out he reminded his assailants of one last thing: “I’m in charge,’ he said, “and that’s the truth.”

John Hemingway Copyright 2010, John Hemingway

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Da Arte de Chutar

O Cientista. Anônimo. MOBA (Museum of Bad Arts).

Paga-se um preço por criar e paga-se outro por imitar (artigo de Gerald Thomas)
Da Arte de Chutar (comentários de Lúcio Jr)

Publicado na Folha de São Paulo, 17 de abril de 2010. A partir de livro da professora e pesquisadora Sílvia Fernandes, diretor Gerald Thomas analisa o teatro contemporâneo e aponta a falta de originalidade deste.


Gerald: Existe um momento quando o teu passado te bate na cara, atropela seus rins e fígados e te deixa em estado de êxtase e dor. Eu estava aqui em Londres, quando me chega o livro de Sílvia Fernandes, “Teatralidades Contemporâneas”. Trata-se de uma obra densa e compreende muita informação sobre a atualidade (ou não atualidade) do teatro mundial e explora as variantes sobre a vida no palco dessas últimas três décadas. Esse livro foi escrito ao longo de dez anos.A introdução do livro me menciona de forma incrivelmente simpática. Sempre me senti um ponto de entrada, mas entendo que agora eu seja um ponto de partida. É a vida!

Lúcio: Achei que o livro era sobre o teatro brasileiro nas últimas décadas. Pois é, o teatro brasileiro e mundial contemporâneo é atual (ou não!)

Gerald: Mas a Sílvia não comete o engano que tantos acadêmicos cometem quando “classificam” uma arte qualquer ou fazem uma “melange” de todas as artes. Sílvia Fernandes toma partido. É uma crítica durona e isso é maravilhoso. Somos muitos nesse livro, ou melhor, somos “todos”. Mas somos, apesar de seres originais, personagens também.

Lúcio:Mas todo acadêmico faz, de uma forma ou outra, classificações. Se um acadêmico for pretensioso ao ponto de querer fazer mistura (mélange) de todas as artes para fazer um artigo, vai se dar mal, porque a tônica da academia é a especialização. Quem costuma ter essa pretensão de ser artista em todas as artes são alguns artistas. Segundo Thomas, os criadores dos anos 90 são, então, seres originais, além de personagens da Sílvia Fernandes. Se somos seres originais, algo de original se aproveita em nossa arte (ou não!)

Gerald:Com exceção de um ou outro, que Sílvia aponta como “o pastiche de todos” ou o imitador sem caráter, somos os personagens ativos numa longa jornada teatral dantesca, brutal, darwiniana, em que a sobrevivência não é a do mais forte, mas do mais persistente.

Lúcio: Aqui chegamos ao ponto mais importante do texto: Gerald Thomas quer apontar Felipe Hirsch como mero plagiador e imitador, posição que não é a de Sílvia Fernandes. No entanto, se a sobrevivência for do mais persistente, então Felipe Hirsch será mais feliz do Gerald Thomas, que já disse ter desistido do teatro. Vale a pena ler o livro de Sílvia Fernandes para saber quem está fazendo pastiche de todos. Aliás, pastiche é uma categoria a que se dá valor na pós-modernidade. Silviano Santiago fez pastiche de Graciliano Ramos e fez o livro Em Liberdade.

Gerald: Falo e escrevo na primeira pessoa. O que seria um diretor sem caráter? Em inglês, esse duplo sentido até que chega a ser engraçado. “Character” significa “personagem” e o teatro é feito deles. E a Sílvia deixa claro quem começou, quem imitou, quem se limitou, quem segue ou quem persegue os verdadeiros “characters”.

Lúcio: Talvez o problema não seja a primeira pessoa e sim a falta de capacidade teórica para teorizar e resenhar um texto acadêmico, que infelizmente Gerald Thomas não tem. Ele faz uma crítica cultural a partir do próprio umbigo. Alô, alô, Silvia Colombo, que coisa mais anos 80 colocar alguém que está há vinte anos em Nova Iorque para criticar o teatro brasileiro contemporâneo! Se Sílvia Fernandes aponta que existem diretores sem caráter, ou de mau caráter no teatro brasileiro, então ela seria uma crítica ao estilo do passado, que julga a obra pelo mau comportamento biográfico do artista...

Agora, tendo me despedido do teatro através de um artigo no velho blog, mas que está como manifesto no novo blog (http://geraldthomasblog.wordpress.com), vejo minha vida teatral e operística com enorme saudades, mas com uma tremenda resolução: sou um “ponto zero”, um ponto falho, se deixei falhas enormes para trás. Qual ponto falho?

Lúcio: Gerald deixou o teatro e ainda fica só falando sobre teatro, sobre a própria obra, mais do que sobre teatro brasileiro contemporâneo, assunto, do qual, aliás, ele pouco entende ou assiste fora sua própria obra.

O teatro é uma arte para poucos. Ele sempre existirá, porque o ego de quem se exibe nos palcos sempre estará maior. Esse ego quer explodir, quer se mostrar, quer berrar e ser “tocado” pelo público. Mas o problema é que não estão dizendo nada. Nada que interesse. Então, temos egos vazios, cantando aberrações em tonalidades de cores que se confundem com aquilo que era uma pintura original da época em que se tinha algo a dizer.

Lúcio: A esta altura, Gerald afirma que seria necessário ter uma mensagem, dizer alguma coisa que interesse. Interesse a quem? À crítica? Ao público que vem ver peças com atores da telenovela? É tão importante assim o conteúdo? Depois de largar o teatro, Gerald virou crítico conteudista, moralista à la Tolstói?

Gerald: Me diverti com texto do crítico de teatro da Folha, Luiz Fernando Ramos, sobre um espetáculo: “Fulano de tal se revela sem rumo nem estilo, como se fosse mais importante soar genial do que servir à obra. Essa fraqueza fica explícita nos três momentos em que as luzes da suposta sala de cinema se acendem. No mais provocativo, quando os atores permanecem olhando o público em silêncio por minutos, repete-se gesto de Gerald Thomas de 20 anos atrás, com menos brilho e mais afetação. A tal peça queria ser uma bofetada no gosto do público. Consegue ser chata, apesar de desempenhos vigorosos dos intérpretes, da linda iluminação e do cenário funcional de Daniela Thomas.” Por que me divirto? Porque Ramos se refere ao meu espetáculo “M.O.R.T.E.” (1990) e porque em “Teatralidades…”, o mesmo sujeito é descrito como meu “fiel seguidor”. Onde termina a homenagem e começa o plágio? Ou quando tudo vira caso de polícia?

Lúcio: Boa pergunta: por que se diverte? Porque a crítica não é contra ele (senão ele se enfureceria e diria que suas peças são intocáveis, não sei quê, etc), é uma crítica que insinua que Felipe Hirsch é imitador de Gerald Thomas e é chato. Dizer que é “chato”, é “pretensioso” são categorias subjetivas. Estou cada vez mais certo de que Hirsch inspira-se no teatro de Gerald Thomas e no teatro dos anos 80 e 90 em geral para ser a superação histórico-concreta. Hirsch retoma a narrativa, por exemplo, de Dalton Trevisan e coloca a estética dark pós-moderna a serviço dela, abandonando a fragmentação esquizofrênica.

Gerald: O que acontece? Falta cultura a essa “falta de cultura?” Sim, pelo que Sílvia aponta existe uma enorme originalidade no teatro das últimas décadas. Se isso não resume a crise e o inescrupulismo em que vivemos, o que mais posso dizer? Uma “nação teatral” conquista sua história com independência, sangue e formula sua própria “constituição” através de uma, duas, três ou mais revoluções.

Lúcio: Então, Sílvia aponta originalidade no teatro brasileiro das últimas décadas? Ou não! Aliás, o que é originalidade mesmo? Frases tolas, subjetivas, sem sentido: “inescrupulismo”, “crise”. A crise é de caráter? Nação teatral. Sílvia fala de teatro em termos nacionais ou não?

Gerald:“MUDAR O MUNDO” (palavras sábias de Julian Beck). Tudo isso tem um preço. Um preço alto e, por isso, o teatro não está mais “mudando o mundo”. Paga-se um preço ao criar, paga-se outro por imitar. O “teatro-supermercado” de “gadgets” que precisamos para viver é algo chato e sem pensamentos a respeito de si. O teatro não se repensa há tempos. A arte que repete ou imita é retórica, mas não tem opinião! É a morte, a minha M.O.R.T.E., que significa: “Movimentos Obsessivos e Redundantes para Tanta Estética”. Poucos, nesses 30 anos de teatro revisitados por Sílvia, são pensadores originais da arte. O resto obceca em torno de uma estética velha. Não sei se devo ou não agradecer por essa desgraça.

Lúcio:Se a questão é transformar o mundo, então deve-se é deixar Beckett em prol de Brecht, Gerald Thomas e Hirsch em prol de Boal e Vianinha, Nelson Rodrigues em prol de Oswald de Andrade. O ponto de chegada desse artigo é acusar Felipe Hirsch não de fiel seguidor, mas sim de plagiador. Mas plágio é um conceito atrasado em termos de teoria crítica de arte, pois há muito se discute a intertextualidade. O teatro, sim, se repensa, quem não é teórico de jeito nenhum é o diretor Gerald Thomas. Ele não está obcecado por uma estética velha, mas por sua própria obra, que parte da crítica também já disse fazer pastiche de Beckett, Kantor, dentre outros. O teatro que se faz a partir com artistas da Globo, por exemplo, Wagner Moura no papel de Hamlet é que seria esse teatro-supermercado, com Wagner a ser consumido como gadget-nascimento? Seria o Brecht da Denise Fraga? As comédias de Cláudia Raia ou Miguel Fallabella? Como acusar, sem dar exemplos? Coragem, dê nomes aos bois! A quem essa crítica é endereçada? Mas ele, como Caetano Veloso, domina a arte de chutar, tão bem definida em um artigo recente do professor Sírio Possenti:

Se Foucault vivesse entre nós, ficaria espantado com "nossos" intelectuais. Um dos mais notáveis é Caetano Veloso, nosso Aristóteles - ele opina sobre tudo. Aparece em todos os meios de comunicação - mostrando seu banheiro em Caras ou depondo sobre a importância de Lévi-Strauss na Folha de S. Paulo (o que é também uma ilustração de como a Folha explica) (Sírio Possenti em sua coluna no Terra Magazine).

Paga-se um preço por criar (e por chutar), mas criação é, como disse Boal em O Teatro do Oprimido (vamos estudar e não chutar, pessoal!) recriação do princípio criador da natureza. A prova de que o teatro se repensa é esse livro de Sílvia! E prova de quanto vai mal a crítica teatral na Folha é esse artigo de Gerald Thomas, pontificando asneiras a partir de New Yorrrrrk...

GERALD THOMAS é diretor e autor teatral

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Eu sou Serra...

Eu sou Serra...mas o Serra de 1964 que falou no comício na Central do Brasil.


Fragmento do discurso de Jango nesse mesmo comício:

A democracia que eles desejam impingir-nos é a
democracia do anti-povo, do anti-sindicato, da
anti-reforma, ou seja, aquela que melhor atende
aos interesses dos grupos que a eles servem ou
apresentam. A democracia que eles pretendem é a
democracia dos privilegiados, é a democracia da
intolerância e do ódio. A democracia que eles querem é a democracia para liquidar com a Petrobrás. É a democracia dos monopólios privados,
nacionais e internacionais. É a democracia que
luta contra os governos populares e que levou
Getúlio Vargas ao supremo sacrifício. (...)
A maioria dos brasileiros já não se conforma com
uma ordem social imperfeita, injusta e desumana.
Os milhões que nada têm impacientam-se com a demora, já agora quase insuportável, em receber
os dividendos de um progresso tão duramente construído, mas construído também pelos humildes.
A reforma agrária não é um capricho de um governo
ou programa de um partido. É produto da inadiável
necessidade de todos os povos do mundo. Aqui no Brasil constitui a legenda mais viva da reivindicação do nosso povo, sobretudo daqueles que labutam no campo.
A reforma agrária é também uma imposição progressista de mercado interno, que necessita aumentar a sua produção para sobreviver. Os tecidos e sapatos sobram nas prateleiras das lojas e as nossas fábricas estão produzindo muito abaixo de sua capacidade. Ao mesmo tempo que isso acontece, as nossas populações mais pobres vestem farrapos e andam descalças porque não têm dinheiro para comprar.

João Goulart, 13 de março de 1964, no comício
na Estação Central do Brasil.

O que está aí hoje, candidatando-se a presidente, é um vampiro, um morto-vivo.

terça-feira, 20 de abril de 2010

O Homem e o Cavalo

Quadro do neopop mineiro Hogenério

O Homem e o Cavalo (Tentativa de atualização e reescrita do texto da peça de Oswald e Andrade)

O Interior do Ícaro I

A cena representa o interior da estratonave. Vasta janela ao fundo, aberta para os espaços interplanetários. Uma figa monstruosa pende do teto.

Cena I

Etelvina: Arre! Que deixamos aquela pasmaceira. Devemos o nosso regresso à Terra a esse maníaco que conseguiu atravessar a estratosfera...

Malvina: E cair no céu!

Querubina (para o Poeta-Soldado): Por que é que você quis dar porrada nele, querido?

O Poeta-Soldado: Ele estava me plagiando! Suas messalinas pós-modernas, não me questionem!

Etelvina: Mas, plagiando em meio a uma peça de Oswald de Andrade que está sendo reescrita? Só me interessa o que não é meu! Cem anos de perdão.

O Poeta-Soldado: Virou caso de polícia! Tenho mais gente para analisar minhas poesias. Foi o último problema que tive com ele. Não sofro de delicadezas! Vou matando logo. Oswald de Andrade não, ele plagiava a mim, me copiava, fazia se passar por mim, enganando as pessoas. Agora compreende. Já falamos sobre civilização, cultura, imperialismo, capital, raça e outros temas. Mas fora com os nordestinos, fora com os imigrantes latino-americanos que avacalham a Flórida!

Malvina: Pau nele! Coitado!

O Poeta-Soldado: Coitado por quê? Eu por mim dava cabo dele! Ah, as teatralidades contemporâneas!

Malvina: Não faça isso! Deus castiga!

O Poeta-Soldado: Deus? Eu tenho um plano diabólico, terrível, de apoio à invasão do Irã e do Afeganistão. Vocês sabem que agora qualquer palestino pode ser deportado da Cisjordânia para Gaza, não é?

Todos se aproximam.

As Quatro: Diga! Fale!

O Poeta-Soldado: Vocês não denunciam? Posso contar com a alvura dos vossos sentimentos pró-Israel, pró-USA, não é?

domingo, 18 de abril de 2010

Contra a dengue, sem grilo!

Como esse blog também é, às vezes, observatório da imprensa local, seleciono e comento alguns trechos do debochado editorial do Jornal Fique Sabendo de 15 a 30 de abril de 2010, a respeito da dengue:

“Calma, gente, a Dengue não foi assassinada por ninguém, ela continua existindo entre nós. O seu transmissor Aedes Aegypty transita diariamente em Bom Despacho, dando tchauzinho e mandando beijos para a galera com uma picadinha, até mesmo no bumbum (sic!). E certamente fará isso por muito tempo” (...).

Então, o mosquito está igual a um político tradicional...

“Hoje, pegar Dengue acabou virando mania municipal.”

Eu já disse isso aqui no Revista Cidade do Sol, mas era uma ironia dirigida às autoridades.

“Parece uma coisa incontrolável, que com facilidade apavora muita gente.”

Esses editoriais do Fique Sabendo também me parecem isso...

“O problema de combate a Dengue não está somente no Poder Público, mas principalmente em nós moradores descuidadosos (sic!) com o nosso próprio lar e ambiente no qual convivemos.”

A cidade está cheia de lotes sujos e os funcionários do combate à dengue não conseguem nem ter seus contratos assinados. E a culpa é coletiva? Descuidadoso é o seu revisor!

“Seja atencioso e não fique esperando que a prefeitura salve a sua vida”.

Vou esperar sim, prefeito, SOS, SOS!

Marxismo e Antropofagia

Adoro esse vídeo. Giba é um grande professor, apaixonado. Ele esculhamba o Gianotti ("picaretagem") e diz que o Oswald de Andrade é "o" saboroso filósofo brasileiro.

Blog do Brizola Neto

Um blog muito bom a respeito de política, contando inclusive com o colunista da Folha de São Paulo e professor universitário Gilberto Vasconcellos, que durante o governo FHC deu uma lavada nele com o livro O Príncipe da Moeda:


sexta-feira, 16 de abril de 2010

Novidade que Permanece Novidade: Artigo de Micheliny Verunschk

Novidade que permanece novidade – Parte 2

Por Micheliny Verunschk

O cotidiano sagrado da poética de Wilson Nanini

Conheci a poesia de Wilson Nanini nesse atropelado 2008. E posso dizer, sem sombra de dúvida, foi uma das melhores surpresas do ano. Talvez você não o conheça, pois como ele mesmo se intitula é “um poeta em fase de berçário”. Entretanto, quem já nasce assim, escrevendo como mestre, não precisa de adjetivos que o qualifiquem.

Sua poética oscila entre a delicadeza e a crueza. E ele maneja a palavra como Manolete toureava. Manolete (1917-1947) é aquele toureiro espanhol convertido em lenda, ao qual o poeta João Cabral, no poema Alguns Toureiros, transformou em metáfora para poetas precisos, elegantes e certeiros. E assim é que Nanini, brinca/luta com a palavra, conquista-a, desmembra-a, torce e retorce cada vocábulo como que para alcançar um céu inatingível. Tem a mão contida, não “poetiza o poema”. E para não fugir da tauromaquia, cabe ilustrar essa passagem com seu poema Boi:


Apenas a metafísica

de nossos mitos


– enquanto o boi ergue a cauda

e produz matéria



com mãos transfiguradas,

afago na

(dele) face minha hoje

escassa identidade.


No meio-dia sem álibi...

Na meia-noite sem alento...

O boi (peso, pêlo e poesia

isenta) se indifere pois

intui que plenitude é

– rente ao prazer manufaturado –

deitar-se entre flores

na relva úmida

ao relento

e lamber apenas

as próprias narinas.

Sobre o desejo de alcançar o que não se alcança, vale dizer que seus poemas, quase que invariavelmente, são perpassados pelo Sagrado, um sentimento de transcendência que trafega desde o cotidiano mais mundano até os ideais mais elevados. E mais, costura mundo e espírito com linha forte, procurando tornar um e outro a mesma coisa, numa tentativa de superação da dicotomia corpo e alma que, por um triz, não se efetiva (daí, talvez a sua graça). Um poema exemplar do que descrevo, é Oh, São José!(por sua esposa casta) que transcrevo a seguir:


o espelho

sem reflexo

o homicida (santo) em meu ventre



o vôo

sem perícia

a nudez

sem delícia

Construído ao modo de uma prece, o poema dialoga, ao mesmo tempo, com a tradição cristã e com um dos mitos universais mais interessantes do ponto de vista do Sagrado, o mito do vampiro. No poema, o Cristo e o Drácula coexistem em seu desejo de eternidade e até na negação do prazer. Dirigido a São José por meio da voz poética da Virgem Maria, o poema se reporta à humanidade como se ambos, Cristo e Drácula, se penitenciassem pelas duras exigências e cobranças do Eterno. Essa trindade obscura, formada por Maria/Cristo/Drácula, ainda que peça perdão, tem a imagem do humano subjugada a seus pés.

Essa mesma imagem de subjugação, vamos encontrar em outro poema, chamado, sintomaticamente, Procissão:

Murmuro ladainhas

de neblina, enquanto um rio

de velas sobre paralelepípedos,

lento, segue esculpindo

rostos agônicos na penumbra.

Odor de incenso se me torna

alma além da que dentro trago


As rezas do padre,

pelas beatas (traídas) repetidas,

conclamam um cataclismo.

Tanto que se dá então

um reabrir, do deus menino,

as cinco chagas cicatrizadas.

E esse sangue escorrido

de que se esperava coagular toda a maldade

– tinta-vinho então que perdeu o dom –

tem por fim

afogar toda a humanidade.

O poema remete à ondulação, sensação que é construída por meio de imagens fortes e complementares, “o rio de velas”, “o sangue escorrido”, e, desse modo, não é demais dizer que remete também à serpente, ao Leviatã relatado no livro de Jó, monstro da água que ao menor movimento acabaria por “afogar toda a humanidade”. E mais uma vez podemos nos referir a um duplo divino/demoníaco na figura do deus menino/Leviatã. Nesse poema, ecoa algo do William Blake de O Casamento do Céu e do Inferno, na passagem em que surge o Leviatã, seja pelo duo fogo e sangue (comum aos dois escritos), seja pela arquitetura de uma cena cataclismática em andamento lento – o que faz da poesia de Nanini também uma poesia de extremo apelo visual, arriscando até que há um diálogo intenso com o cinema expressionista alemão.

Sobre esta, digamos, filiação expressionista de Nanini, um pequeno poema parece falar mais que mil palavras. Trata-se de Fantasma, no qual as fronteiras entre o mundo objetivo e subjetivo se diluem sem deixar espaço à razão:

Fui dormir carne (dor

e delícia) acordei

névoa (noite onírica).

Wilson Nanini é mineiro de Belo Horizonte e tem um livro, ainda inédito, Quebranto, relances e abismos ao relento. Para quem quiser conhecer melhor sua poesia, indico o blog homônimo ao livro no endereço http://wilsonnanini.blogspot.com/.

Micheliny Verunschk nasceu em Arcoverde e vive, atualmente, em Recife. Lançou Geografia Íntima do Deserto, Landy, 2003. Mantém o blog http://www.ovelhapop.blogspot.com/
Creative Commons License

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Jardim de Infância (terceiro ato)

sexta-feira, 9 de abril de 2010
Jardim de Infância (3° Ato)

Jardim. PETER PAN, PINÓQUIO e RAINHA FOGUETE de mãos dadas num círculo. Eles usam capacetes, do quais saem vários fios que seguem para fora do palco.

VOZ (Pedro Bial / Robô)

Vou revisar as regras pela última vez. Trata-se de jogar o jogo do “eu nunca” de outro modo. Ao invés de, às vezes, dizer a verdade, às vezes, dizer a mentira, os participantes precisam dizer a verdade sempre. Sempre! Ok? Vocês cantarolam (cantarolando): “eu nunca, eu nunca, eu nunca”. Assim, três vezes e, depois, um participante fala. A ordem das falas já foi sorteada e será (p.ex) Peter, Pinóquio e Rainha Foguete (é importante que a cada apresentação essa ordem mude e um diferente personagem vença). O participante que conseguir não mentir vence. Se o participante mentir, ele será elecutrado até a morte (ele ri). Brincadeirinha. Se o participante mentir, uma sirene será acionada e ele deverá deixar a roda. É preciso dizer a verdade sempre. A equipe do BBB instalou um dos mais avançados aparelhos detectores de mentiras do mundo e se algum de você mentir, esse alguém será eliminado. É preciso dizer impreterivelmente sempre a verdade. Dizer: “eu nunca X”. Esse X deve ser alguma coisa de verdade que aconteceu na vida de vocês. O vencedor ganhará um carro de batatas. Não um carro com ou cheio de batatas, mas um carro literalmente feito de batatas. Podemos começar? Todo mundo entendeu?




Ok. Bial.

VOZ (Pedro Bial / Robô)

Tudo certo, Rainha Foguete?


Certíssimo, Bial, me deseja boa sorte.

VOZ (Pedro Bial / Robô)

Boa sorte para você, Rainha Foguete, minha jujubinha. E para vocês também, Peter e Pinóquio. Então, vamos lá, um, dois, três, valendo!


(cantarolando / rodando)

Eu nunca, eu nunca, eu nunca.

Isso é dito sempre depois que um personagem fala. Algumas falas possíveis a serem alternadas entre os personagens são as seguintes (o ideal seria que os atores criassem suas próprias histórias):

Eu nunca entendi as regras do jogo de eu nunca.

Eu nunca entendi se era para beber quando se fala a verdade ou a mentira.

Eu nunca fui queimada na mão por uma menina que disse: “quer ver como o ferro queima?” e eu disse “não” e ela disse: “quer ver?” e ela me fez ver me queimando quando eu tinha 7 anos e eu voltei para casa chorando para falar com a minha mãe e a minha mãe disse simplesmente para eu não falar mais com a menina, quando, na verdade, ela deveria ter ido lá bater nela, destruir ela, queimar ela, queimar a casa dela, queimar tudo dela para que eu não ficasse me remoendo acerca disso o resto da minha vida toda.

Eu nunca suportei o colégio a ponto de entrar chorando praticamente todos os dias do ano no 3° jardim e, de certo modo, nunca superar isso e nunca conseguir ficar numa sala de aula sem sentir que eu estava numa espécie de morte induzida e que todos ali eram porcos, todos ali eram porcos, os professores, os alunos, porcos, porcos.

Eu nunca quis ser um menino de verdade.

Eu nunca usei sutiã de enchimento, quando eu tinha 11 anos e falei para uma amiga e ela disse para turma inteira que riu da minha cara.

Eu nunca quis ser criança para sempre.

Eu nunca perdoei Brás Cubas por não amar Eugênia (“ Por que bonita, se coxa? Por que coxa, se bonita? "), porque eu amaria Eugênia, eu amaria Eugênia perdidamente.

Eu nunca sonhei que eu estava numa casa cheia de baratas e elas queriam me comer viva.

Eu nunca estive com um amigo com bala ou doce nas mãos na rua Maria Quitéria em Ipanema no dia 13 de novembro de 2009, às 23:00 e PMs, como num susto, chegaram para acabar com a festa e eu joguei amedrontado / modernista safado a bala ou doce no chão e os PMs não acharam mas depois meu amigo achou e nós tomamos e fomos para a praia com uma galera e o doce ou a bala não eram nada demais, eram bem fracos, na verdade, e voltei melancolicamente às 5:00 da manhã para casa improvisando com a vontade de morrer, porque eu tinha encontrado com um velho conhecido que ficou falando de sua dieta a noite inteira.

Eu nunca apanhei de garotos brancos, pretos, ricos, pobres, fortes, fracos, bonitos, feios, gordos, magros durante todos os anos que eu estudei.

Eu nunca senti que eu estava virando um menino.

Eu nunca beijei uma menina.

Eu nunca encontrei bêbado e por acaso com uma ex-namorada na Lapa no dia 17 de agosto de 1998 e comecei a beber mais ainda com ela que estava sentada com uma amiga que tinha estado num hospital psiquiátrico e falava coisas sobre Lacan, Artaud e loucura e eu estava muito bêbado para responder e dizia para a minha ex-namorada que eu queria que ela viesse para a casa comigo, mesmo eu tendo nessa época, uma outra namorada, eu dizia isso e ela dizia que não podia, que ela tinha que ficar com o irmão, porque o pai dela estava viajando e eu fazia uma chantagem emocional do tipo você nunca me amou, você nunca me amou e ela cedia rapidamente, porque ela dizia que me amava, que sempre me amaria, que aceitaria tudo e eu dizia você não tem vergonha, você não me acha um canalha, e ela dizia eu afirmo o amor e ia para minha casa e eu ficava beijando todas aquelas tatuagens de flor até dormir.

Eu nunca senti vontade de ser estuprada.

Eu nunca abaixei as calças de um primo no meio da rua, quando eu tinha uns 9 e ele um 15 e ele ficou constrangido.

Eu nunca estive, em Cabo Frio, em 2005, numa madrugada com amigo e um amigo que viria a se matar em menos de um mês me disse que nós éramos muito novos para falar sobre suicídio e nisso, nós falávamos sobre suicídio e eu disse uma coisa como: “todo mundo que se mata, se mata jovem, qual é o sentido de se matar velho, é deprimente, eu quase admiro alguém que se mata jovem, eu quase acho charmoso” e ele se matou menos de um mês depois e eu continuei vivo, até certo ponto, relativamente otimista.

Eu nunca joguei futebol sem camisa com os meninos e jogava bem todos os dias no play até um 12 anos, quando um dia, eu desci sem camisa e fiquei subitamente muita constrangida e quis chorar e achei que era errado que eu não deveria jogar futebol sem camisa porque isso não era coisa que menina deveria fazer e me escondi atrás da pilastra como se a diferença sexual se explicitasse para mim agora e peguei o elevador e voltei para casa vermelha de chorar e nunca mais fui jogar futebol sem camisa e, de certo modo, nunca mais fui jogar futebol.

Eu nunca estive em Paris com a namorada alemã e perguntando como se diz “eu te amo” em alemão e falando como se fosse Hitler e pensando: “a brancura do branco, a brancura do branco” e ela dizendo “diga isso de forma mais doce” e ela de fato dizia de forma mais doce e em alemão e nisso eu a amando perdidamente do Louvre até o Arco do Triunfo a amando perdidamente no frio e eu me sentindo otimista e alemães andavam atrás de nós e ela dizia: “tem muito alemães em Paris, parece que nós vamos invadir essa cidade de novo” e eu gargalhava disso, eu gargalhava de modo constrangedor e amoroso e nós sentávamos num banco no final da Champs Élysées e eu dizia “eu tenho frio” e ela pegava as minhas mãos e as colocava delicadamente dentro de sua camisa e eu acariciava seus seios na Champs Élysées como se nós fôssemos tomar essa cidade para nós, porque “the night belongs to lovers, because the night belongs to us”, em 27 de novembro de 2006.

Eu nunca senti minhas maiores vontades de destruir tudo antes dos 12 anos.

Eu nunca quis ser uma princesa.

No final, o personagem que vence, comemora. Os outros, quando perdem, choram.
Postado por Felipe Moreira às 21:06

FIT 2010

Prefeitura garante a realização do FIT em 2010
O prefeito Márcio Lacerda e a presidente da Fundação Municipal de Cultura, Thaïs Pimentel, decidiram que a 10ª Edição do Festival Internacional de Teatro Palco & Rua será realizada normalmente, neste ano de 2010. As dificuldades apresentadas serão contornadas, como ocorreu em todas as edições anteriores.
Paralelamente, a Fundação organizará um seminário para discutir e avaliar todas as questões inerentes ao Festival, visando ao fortalecimento cada vez maior do evento. No seminário deverá ser discutida também a possibilidade de realização de nova edição em 2011, promovendo, então, a mudança para anos ímpares, uma vez que a coincidência com eventos como eleições tem dificultado a organização.
A Fundação Municipal de Cultura comunica que todos os esforços serão desenvolvidos para garantir que a 10ª edição do FIT tenha a qualidade que sempre caracterizou o Festival e que tanto encanta a população de Belo Horizonte.
A Fundação divulgará cada etapa do processo de organização do Festival.
Belo Horizonte, 30 de março de 2010
Postado por ALMAUAI!

Do blog Virus Mundanus

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Blognovela Penetrália 23: A Plástica Besta!

Blognovela 21: A Plástica Besta!

(Acendem-se as luzes. Num cenário de barracos destruídos, escorre chorume e todos estão sujos de lama. Uma mulher descabelada, com uma faca na mão, corre para o centro do palco, gritando):

Sogra da Mulher na Cadeira de Rodas: Rainha Foguete, Mulher na Cadeiras de Rodas, como você faz sexo?

Márcia: Putz, que lástima!

Lilian de Ipatinga: Eu vi os expoentes da minha geração serem construídos pela escravidão midiática, morrendo de medo, histéricos, impotentes, escondendo atrás de máscaras e arrastando-se pelas ruas do bairro de madrugada em busca de uma dose violenta de qualquer antiácido.

Cintia: Peri, Peri, Lúcio, é blognovela ou telenovela?

Sogra da Mulher na Cadeira de Rodas: Enquanto Gerald abre um novo blog na wordpress, eu fico vendo novela, fico acalmando meus dois filhos, Caim e Abel, pois ambos estão transando cadeirantes.

Lúcio: Hein, telenovela da Bandeirantes? Vende-se um Sapato Velho de Uma Professora, Canavial de Paixões, Uma Rosa por Amor?

MNC: Não, Lúcio, essas são do SBT.

Reinaldo Pedroso: Fizeste uma twitternovela horrível, irritaste a todos.

Felipe Moreira: Lúcio, novela com a vida sexual dos cadeirantes, não!

Sogra da Mulher na Cadeira de Rodas: Caim e Abel querem fazer sexo com você na cadeira de rodas, Mulher na Cadeira de Rodas. O que você tem que eu não tenho? Você é virgem? Você transou com o Caim e o Abel? Transou dentro do hospital com meu filho médico? Hein? Você transou? Você funciona?

Mulher na Cadeira de Rodas (chorando): Eu sou normal! Faço sexo normalmente, o pênis dele, seu filho, é introduzido em minha vagina após a ereção e...

Sogra da Mulher na Cadeira de Rodas (gritando de olhos fechados): NAAAAOO! NORMAL, NÃO! VOCE NÃO É NORMAL!

Lúcio: Isso não é uma mãe, é uma galinha choca!

Felipe Moreira: Eu nunca diria isso: "Lúcio, novela com a vida sexual dos cadeirantes, não!". Eu diria: "Lúcio, novela com a vida sexual dos cadeirantes, cool!"

Mulher na Cadeira de Rodas: Eu faço sexo na cama, não na cadeira de rodas.

Sogra da Mulher na Cadeira de Rodas: Vocês fazem sexo na cadeira de rodas? Como ela agüenta vocês?

MNC: prefiro ver AGTUX e no novo documentário do Padilha. Telenovela não!

Felipe Moreira: Tudo menos isso, Lúcio! (Novo deslizamento de lama. Blecaute).

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Blognovela Penetrália 22: Raqueado Arroba Raqueado

Lúcio: desculpem, pessoal, é que o blog foi raqueado.

Réquer: raqueado arroba bol. Você falou em cair o pano, quis fechar para convidados...

Lúcio: tá tudo tão patafísico aqui...Cadê o Alziro?

Cintia: Pô, de novo, Lúcio?

Vamp: Um vagabundo desses teve que fechar o próprio blog para esconder as merdas que escreveu. Depois vem dar uma de vítima, que teve o blog fechado porque não sei o quê... gente cretina! Porque não se juntam esses canalhas todos? Cambada de vagabundos! Gente sem caráter, sem hombridade!

Gerald Thomas: O motorista do ônibus que nos leva do estacionamento de curta estada para o Terminal 3 de Heathrow, é um homem muitíssimo raivoso...

Lúcio: Descobri, o cara nervoso é o Vamp!!!

MNC: Eu aprendi com a Sandra a ter uma couraça.

Sandra: Eu só comento quem eu admiro. Não te dou confiança.

Felipe Moreira: Descobri, Lúcio, Vamp, Gerald e você são a mesma pessoa!

Lúcio: É muito difícil ser modernista mesmo. Nietzschianismo de direita, só dava para agüentar no tempo de Hitler mesmo! Isso é moralismo boboca de ateu, Vamp, vê se não f...meu c...como diz Felipe Moreira. O que é que eu fiz de errado, Alf? E... (a mensagem foi retirada pelo administrador do blog).

Alf, o Eteimoso da Vanguarda Antropofágica (com o visual do Alf, o ET teimoso): Tem que amadurecer. Você foi jubilado.

Lúcio: Deixe de ser diabólica, Alf. Você é que está podre! Esse debate de silêncio dos intelectuais do Adauto Novaes foi para debater como ficam os intelectuais petistas depois do mensalão, fundamentalmente...

Mulher depilada: Eu concordo totalmente com você e acho essa mulher aranha uma descarada. Inclusive acho que ela foi eliminada com toda razão pela força invisível que a tudo verga. Acho que eu, enquanto mulher depilada, ou melhor, indiferenciada, teria nojo caso a encontrasse no ônibus. Para mim, mulheres cabeludas são como leprosas e acredito mesmo que deveria haver uma casa de detenção e recuperação para mulheres não-depiladas. Elas não entenderam que todas nós devemos seguir a revolução de... não me lembro seu nome... bem, de todo modo, essa mulher revolucionária nos permitiu ser diferente desses macacos ambulantes que são os homens e de fato tentar instituir uma raça superior. Acho que essas leprosas só querem aparecer, pois na verdade (nesse ponto nós não concordamos) elas não querem voltar ao natural, elas simplesmente acham que o natural não existe e querem poder escolher qual artifício tomar para si. Sim, sim, elas acreditam na liberdade, elas querem agir como homens, também foi uma delas que nos obriga agora a ter de votar, trabalhar, essas coisas enfadonhas... Ter cabelos é um outro artifício, claro, esse é o problema, elas só querem aparecer e mostrar como podem se ver livres das 10 milhões de franquia de depilação que existem no rio de janeiro justamente para assegurar a continuidade da revolução... mas essa grande revolução, quem foi mesmo que fez? Não me lembro o nome dela, para fazer uma homenagem devida... bem, será que posso achar seu discurso em algum lugar para jogar na cara dessas contra-revolucionárias? Será, bem, qual era mesmo seu nome...

Lúcio: Mulher Depilada da Plástica Besta do Felipe Moreira, uma professora minha, Jane Mary Corner, conhecida do Palocci, disse que vocês mulheres brasileiras se depilam para ficarem diferentes das macacas. Isso é preconceito contra os afro-descendentes, que vocês brancos fantasmas associam aos negros. Na Suíça a mulher pode deixar de se depilar que não tem nada a ver.

Tene Cheba: Cinema Novo, é tudo Cinema Novo, Cinema Novo é uma praga e meu nome não é Johnny mas esse filme tem Caeatano e Caetano é Cinema Novo de Novo. Cheeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeega!

Alan Viola: Cuba e você estão contra a realidade, Lúcio.

Contardo Calligaris Blogspot: Interna o Lúcio! Ele vive num universo paralelo.

M60: Isso são tudo questões militares, uns tanques são melhores do que os outros e o Mossadegh é o melhor serviço secreto porque tem a metralhadora DANIELA. Ela é vencedora e não tem tempo para looser, né?

Targino: cadê o marido da metralhadora?

Reinaldo Pedroso: Thomas?

Gerald Thomas: Sim?

Reinaldo Pedroso: Hein, sintomas?

Gerald Thomas: Não, Thomas.

Reinaldo Pedroso: São sintomas, Thomas.

Gerald Thomas: Não, hematomas, Pedras.

Reinaldo Pedroso: Reinaldo e não Thomas.

Gerald Thomas: Garganta? Reinaldo Azevedo, amigo meu.

Reinaldo Pedroso: Hein, garganta mico meu?

Lúcio: No meio do caminho tinha o Pedroso. Tinha um pedroso no meio do caminho.

Cláudio Martins: Retire meu linque. Risque meu nome do seu caderno já não suporto o inferno...

(Som de chuva. Blecaute).

terça-feira, 6 de abril de 2010

Blognovela Penetrália 21: FECHADA PARA CONVIDADOS

(Cenário: um blog cheio de refugiados do blog Penetrália. Maltrapilhos, mendigos com questões existenciais, meus atores estão sentados num fundo de pano branco, discutindo excitados o que aconteceu).

Márcia: acho que só vai sobrar mulher daqui a pouco, porque só morre homem, ou morre ou vai preso.

Targino: (...).

Lúcio: esse comentário foi retirado pelo administrador do blog, Targino? Ora, vocês são meus convidados.

Cintia: Deu creca no Penetrália, Lúcio? Você sumiu do facebook, do twitter. Você não ia aumentar a letra para a Ana Paula, colocar sitemeter, etc?

Lúcio: Cintia! É que eu descobri o verdadeiro diretor dessa blognovela. É o Gugol! Por isso o pano caiu. Estamos todos sendo dirigidos. Por isso liberei a reportagem aí embaixo sobre o Gugol. Ele é o Grande Diretor. Ele determinou que os meus atores vermelhos fossem lutar contra o PRONÃO.

Reinaldo Pedroso: Quáááá! Esse post deveria chamar derrocta. Fim de Partida.

Targino: Lúcio, você é como o Glauco, coloca todo mundo doidão, todos os personagens.

Mariene: Não concordo, Targino, eu me solidarizo com o Lúcio.

Lúcio: Pois é, Mariene, a linha do equilíbrio é fina mesmo. Quem é professor de Filosofia aí na federal de Teófilo Otoni?

Mariene: Família são duas tribos: Pica Pau na Grana. Mão fechada de vaca. Sou da primeira.

Lúcio: Pois é, o diretor fechou o blog um tempo, somente para os convidados...A Blognovela também teve baixas. Pessoas que sumiram, se extraviaram. Outras se demitiram da peça. Vida de ator não é mole, não. É assim, se você tem o Robert Langdon, você não tem a Judy Dench. Questões ego-warholic-penetra-hamletianas.

Maria do Rosário: Mas esse é o sintoma mais detectável, um olho para cada lado.

Ana Paula: vai ver, a câmera era feminina.

Lúcio: Tipo Cheerleader daft-punk, não é mesmo? Ah,  não agüento mais Diogo Mainardi e esse quebra pau Israel e palestinos com chacrete mossad e tudo mais...

Wilson Nanini: Enquanto isso, vou fazendo meus poeminhas...

Felipe Moreira: Tipo assim, Improvisações pornográficas para MULHER CADELA e HOMEM OBESO DE BOLO DE LARANJA. Ah, não fale de literatura, pois isso f...meu c...(retirado pelo administrador do blog).

Lúcio: Felipe, eu vim do País da Decência e preciso zelar para que o blog não feche. Não falem palavrões, não postem fotos de vocês mesmos nus, nem nus de Gerald Thomas. Não associem os abusos da Igreja Católica ao anti-semitismo que não tem nada a ver, nem Israel com Alemanha de Hitler, tb. Ficar nu pela resistência em Honduras também está proibido, viu Fabrício? O blog da TFP proíbe. Comunidade no Orkut também não pode. Penetralia não pode. Revista cidade do sol, não também. Aliás, na Wikipédia pode-se ler que o que ocorreu em 26 de junho passado em Honduras foi uma sucessão presidencial. Está proibido tuitar pelo Irã, dar welcome a Ahmadinejad, assim como fazer facebook de Hitler ou colocar foto de Pelé nu, assim como criticar Ratzinger defendendo as crianças não-nascidas e silenciando sobre as nascidas. Assim como a imprensa de Bom Despacho silencia o assunto. Silence is golden, falar é prata, diz o ditado alemão.

Ana Paula: Pois é, os jovens nerds andam decepcionados com o nerdcast.

Cai o pano novamente. Surge no palco, em letras garrafais, numa enorme cortina italiana: ESSA BLOGNOVELA ESTÁ FECHADA SOMENTE PARA CONVIDADOS.

segunda-feira, 5 de abril de 2010





I hurt myself todayEu machuquei a mim mesmo hoje
To see if I still feel Pra ver se eu ainda sinto
I focus on the pain Eu me concentro na dor
The only thing that's real É a única coisa real...
The needle tears a hole A agulha abre um buraco
The old familiar sting A velha picada familiar
Try to kill it all away Tento matá-la de todos os jeitos
But I remember everything Mas eu me lembro de tudo.
What have I become?O que eu me tornei?
My sweetest friend Meu doce amigo...
Everyone I know Todos que eu conheço
Goes away in the end Vão embora no final.
You could have it allE você poderia ter tudo isso
My empire of dirt Meu império de sujeira
I will let you down Eu vou deixar você pra baixo
I will make you hurt Eu vou fazer você sofrer.
I wear this crown of shitEu uso essa coroa de merda
Upon my liar's chair Sentado no meu trono de mentiras
Full of broken thoughts Cheio de pensamentos quebrados
I cannot repair Que não posso consertar.
Beneath the stains of time Debaixo das manchas do tempo
The feelings disappear Os sentimentos desaparecem
You are someone else Você é outro alguém
I am still right here Eu ainda estou bem aqui.
What have I become?O que eu me tornei?
My sweetest friend Meu doce amigo...
Everyone I know Todos que eu conheço
Goes away in the end Vão embora no final.
You could call have it all E você poderia ter tudo isso
My empire of dirt Meu império de sujeira
I will let you down Eu vou deixar você pra baixo
I will make you hurt Eu vou fazer você sofrer.
If i could start again Se eu pudesse começar de novo
A million miles away A milhões de milhas daqui
I would keep myself Eu me guardarei
I would find a way Eu acharia um caminho...    

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Eu sou uma força do Passado

Eu sou uma força do Passado.
Só na tradição está o meu amor.
Venho das ruínas, das igrejas,
Dos retábulos, das aldeias
Abandonadas sobre os Apeninos e os Pré-alpes
Onde viveram os irmãos.
Percorro a Tuscolana como um doido,
Pela Ápia como um cão sem dono.
Tanto contemplo o crepúsculo, a aurora
Sobre Roma, sobre a Ciociaria, sobre o mundo
Como os primeiros actos da Pós-memória
A que assisto, por privilégio censitário
Da orla extrema de qualquer idade
Sepulta. Monstruoso quem é nascido
De vísceras de mulher morta.
E eu, feto adulto, cirando,
O mais moderno de todos os modernos,
Procurando irmãos que o não são mais.

Pier Paolo Pasolini in Poesia in forma di rosa
versão de Manuel Anastácio


Do filme La Ricotta: http://www.youtube.com/watch?v=BHSmRFMmM18&feature=player_embedded#